A Cultura da Segurança

Ricardo Pereira de Mattos *

Muito ainda se vai falar a respeito do incêndio que destruiu o terminal de passageiros do Aeroporto Santos Dumont (RJ), na madrugada de uma sexta-feira 13, em fevereiro de 1998. Da mesma forma haverá muito assunto sobre o desabamento (foto) de um bloco de 44 apartamentos de um edifício na Barra da Tijuca (RJ), no dia 22 do mesmo mês, isto é, nove dias após o incêndio.Edifício que desabou

Tristes episódios como esses proporcionam matérias jornalísticas espetaculares, imagens impressionantes, entrevistas, acusações, obras, enfim, desdobramentos variados porém efêmeros.

De tudo o que possa advir de acidentes dessa magnitude, o mais importante é a reflexão e a posterior mudança de comportamento. Infelizmente, essa forma de repercussão, na maioria das vezes, só ocorre entre as pessoas diretamente envolvidas, sejam elas as vítimas e seus parentes ou os profissionais tecnicamente responsáveis pelo gerenciamento dos riscos que, pelo menos uma vez, materializaram-se em acidentes.

O ideal seria uma reflexão coletiva que viesse a contaminar as consciências com a cultura da segurança. Mas isso é utopia; consciências não se contaminam; consciências são formadas por meio de um lento processo: educação.

A cultura da segurança compreende comportamento, capacitação, investimentos, manutenção, fiscalização, participação, tecnologia, enfim, uma série de fatores que dependem de ações contínuas e do acúmulo de experiência. Educação para a prevenção: é isso que precisamos. Os conceitos básicos de prevenção de acidentes - no trânsito, no trabalho, em casa - precisam ser semeados a partir dos bancos escolares e cultivados nos cursos técnicos e universidades. Se assim for feito, os seus frutos - ambientes seguros e saudáveis - serão colhidos durante a vida de todos os cidadãos. Cada vez que essa colheita estiver ameaçada, os cidadãos conscientes estarão preparados para combater as pragas que se apresentarem, principalmente o descaso, desleixo, desrespeito, incompetência e má fé dos administradores públicos e privados, sejam eles governantes, parlamentares, empresários, fiscais ou tecnocratas de plantão.

Respeito aos trabalhadores, ao público e ao meio ambiente é um exercício de cidadania. Priorizar a segurança e a saúde do ser humano em todos os empreendimentos é uma forma de garantir esse exercício e isso é um direito e dever de todos nós.
 
 

* Ricardo Pereira de Mattos (ripemattos@ig.com.br) é engenheiro eletricista e engenheiro de segurança do trabalho.
A fotografia é de Pauty Araújo, publicada no JB Online, de 23/02/1998.

P.S.: No dia 28/02/1998, a Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro promoveu a implosão do que restou do edifício da Barra da Tijuca.
P.S.2.: Em maio de 2001, o engenheiro Sergio Naya, dono da Construtora do Edifício Palace II, foi absolvido pela Justiça.
P.S.3.: Em junho de 2005, Sergio Naya, dono da Construtora do Edifício Palace II, após recursos, foi novamente absolvido pela Justiça. A decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, considerou que havia erros técnicos na classificação do crime e absolveu o ex-deputado.
P.S.4.: Em 20 de fevereiro de 2009, o ex-deputado Sergio Naya morreu de infarto em um hotel, na cidade de Ilhéus, na Bahia. Segundo a imprensa, ele estava na cidade a negócios, pois pretendia construir naquele local um centro de convivência para idosos e um shopping center. Ainda há indenizações pendentes sobre esse caso.

Clique aqui para voltar ao início deste artigo.

Volta à relação de artigos.